segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Você sempre recebe aquilo que quer.



Um fato. Pare. E perceba. Pegue um momento da sua vida que te marcou - não interessa o que seja. Apenas veja. Lembre. Relembre, sincera e unicamente, o que antecedeu ao acontecimento. Tente se recordar como se sentiu. Um dia antes, dois dias antes, uma semana antes. Note o que prevaleceu.

E repare que aquilo que você esperava acontecer de fato aconteceu.

"Ah, mas eu não queria isso".

Justamente. Você não queria aquilo. Mas pensou naquilo. Cogitou todas as merdas que poderiam resultar naquilo. Traçou todas as as rotas de fuja para quando aquilo acontecer. E a mais vívida de todas: você TEMEU aquilo. E por temer, você deu atenção demais àquilo que não queria que acontecesse.

E por isso, VOILÁ, aconteceu.

Não se descabele ainda. Já aconteceu, já passou. Perceba algo novo dessa análise: entenda que aquilo que aconteceu só foi possível porque você deu poder a ele. Ou seja, olha que poder maravilhoso você tem. Imagina agora se você usá-lo para aquilo que você DESEJA.

Vou te exemplificar com a minha vida.

Em 2013 eu morava em João Pessoa com meu marido e meu primogênito, Samuel (este, na época, com quase dois anos). Eu e o Cali, meu maridão, sempre planejamos ter 3 filhos, com uma diferença de 2 anos mais ou menos. No final de 2013, mais precisamente no finalzinho de outubro, eu me peguei, um dia, pensando que seria legal se, ano que vem (2014), nós nos organizássemos pra ter outro bebê. Pensei, Imagine que seria divertido ter uma menina desta vez. Pensei que desta vez eu estaria mais bem preparada para toda a gestação e o parto. Seria tudo bem melhor. Quando cheguei em casa, naquele mesmo dia, conversei com o Cali a respeito e concordamos com a ideia.

E então, esqueci do assunto. Mesmo. PUF. Morreu. Sumiu. Já era. Não planejamos nada, nem falamos mais disso, eu nunca mais nem pensei nisso e tocamos nossa vida.

Aí, dezembro chegou e lá estava eu, grávida. De uma menina - e eu já sabia desde quando comecei a sentir as evidências.

Uma linda e maravilhosa observação: eu tomava anticoncepcional desde 2012 quando tive o Samuel (no meu aniversário, ALIÁS). Ou seja, perceba. Perceba que nada é, realmente, impossível. NADA. Não há coincidência em, depois de mais de um ano sem atraso e sem esquecimento, em dia fatídico depois de ter FOCADO em algo relacionado à possivelmente-quem-sabe engravidar no ano seguinte, de repente a pílula resolver falhar. Famoso "ah tá bom".

Famoso "seu desejo (focado) é uma ordem" BAM!

Embora eu tenha passado mal pra car*lho, mais do que gostaria, tudo foi como eu, naquele dia de outubro, imaginei (relevando alguns detalhes).

Isso é uma prova de que o que eu FOQUEI, aconteceu. Nesse caso, algo que eu QUERIA.

Mas o contrário também aconteceu bastante na minha vida (e ainda acontece). Como minha vida profissional em 2015 e minha terceira gravidez precoce. Tudo fruto de uma única coisa: foco.

Hoje em dia já não me descabelo mais por coisa alguma - ou pelo menos, quando estou a ponto de, eu paro, respiro e reforço a certeza de que aquilo é apenas resultado de uma equação. E os fatores são de minha responsabilidade. Sendo minha autoria, eu lido com ela da melhor maneira, exatamente para o ciclo de foco "errado" se quebrar.

Eu ainda tenho, como pessoa completa, que me aperfeiçoar em muita coisa. Mas ao menos já sei que as flores ou rochas que encontro no meu cotidiano foram permitidas por mim mesma.

E tendo passar isso para meus meninos, mas eles, perfeitos, já sacam essa parada muito melhor do que eu.

Assunto para outro post.

ALOHA.
The joyful sharing of life energy in the present.